Lorenço Oliveira

jornalista // especialista em digital // web designer
Paulo Aguinsky: “A beleza da forma dá crédito ao sentido”

Paulo Aguinsky: “A beleza da forma dá crédito ao sentido”

Paulo Aguinsky é um escultor brasileiro premiado com as Medalhas de Ouro, Prata e Bronze do Salão dos Artistas Franceses, Medalha da Cidade de Paris e o Prêmio Taylor de Escultura. Já representou o Brasil em diversas exposições em vários países do mundo. Natural de São Borja (RS), Aguinsky é médico cirurgião. Ele me concedeu esta entrevista um dia antes de abrir sua exposição “Nexo da Forma: no Universo da Pedra”, em 10 de janeiro de 2015, na Redemac Zona Nova, em Capão da Canoa (RS). A entrevista foi publicada originalmente no jornal Momento de Osório (RS).

Lorenço Oliveira – Como foi que começou o seu interesse pela escultura?

Paulo Aguinsky – Eu faço esculturas desde os 15 anos de idade. Eu me interessei acidentalmente. Com a argila, eu comecei a ver que era maleável e passei a fazer esculturas. Acidental. Não foi nada induzido ou algo escolar. Foi circunstancial.

Lorenço OliveiraHá uma história de que seus pais tinham casa aqui na praia e você começou brincando na areia…

Paulo Aguinsky – Esse link que existe com Capão da Canoa não é acidental. Antes de fazer esculturas com argila eu fazia com areia na beira da praia. Eu veraneava todos os anos. No início, nem existia o [bairro] Zona Nova, naquele tempo ela era um deserto. Meus pais tinham um apartamento no centro. Depois, tivemos uma das primeiras casas que surgiram na Zona Nova. E eu vinha muito pescar por aqui, já que era mais afastado do centro. Eu costumava ir para a beira da praia fazer esculturas. Era uma recreação. Acho que aí seja o momento mais antigo que eu tenha em relação a arte de esculpir.

Lorenço Oliveira – Você disse em outras entrevistas que a sua formação médica lhe ajudou na precisão e na habilidade. De que outras formas a medicina interferiu ou influenciou no seu trabalho?

Paulo Aguinsky – Medicina não tem nada a ver com arte. Uma coisa é essencialmente técnica e tu segue linhas rígidas. Tu não pode inventar nada na barriga de um paciente. Então, tem aquele limite, que a medicina é conhecimento científico e habilidade de tu saber usar esse conhecimento. E se tu é cirurgião, você tem habilidade física de atuar naquilo ali. Tanto você pode usar na escultura como na cirurgia. Uma na realidade ajuda a outra. Se eu não estou operando, eu estou esculpindo. Eu estou desenvolvendo a minha capacidade manual, usando as mãos para uma ação. Mas o que a medicina foi realmente muito importante é no apoio técnico da sistemática de como eu fui capaz de aprender a usar os meus instrumentos para a escultura. Um escultor, não ortodoxo como eu, pega um material e usa aqui, experimenta outro ali. Eu não. Eu preparo a minha mesa para a escultura, com as máquinas, como se fosse fazer uma cirurgia. Eu sei direitinho cada etapa. Eu não uso o instrumento errado. Eu uso exatamente [o instrumento] para cada parte e vou trocando. Aprendi uma sistemática de trabalho. E acho que isso foi muito prático. Isso me deu um método de ação.

Lorenço Oliveira – Em outro momento você disse que se interessa mais pela forma do que pelo simbolismo. O que você quis dizer com isso?

Paulo Aguinsky – Não existe no [ser] humano nada de informal que não seja simbólico. Toda a forma do ser humano tem um significado. As pessoas vão perguntar “o que é isso?” e tu vai ter que achar uma resposta para aquilo ali. Porque ele não vai sair dali satisfeito, mesmo que tu diga qualquer coisa, ele diz “não, isso não é isso”. Ele vai ter que achar o encontro entre a forma e o que ele acha. “Não, isso aqui representa o crescimento de uma semente…”, aí o cara “ahhhh, tá”. Então, a mente não permite que tu tenha uma forma sem nome. O nome é fundamental. O nosso sistema de pensamento sempre tem que ter um significado. A forma só tem valor quando ela tem significado. Então, eu não dou bola para o significado. Eu faço a forma. E eu encontro o significado, eu invento o significado. Que é o que se faz com a arte moderna hoje. Eu prezo mais pela forma do que pelo simbolismo. Por que a forma traz em si um aspecto de beleza e de estética. E o sentido não. O sentido não tem estética. O sentido não tem forma. Eu poderia resumir assim: a beleza da forma dá crédito ao sentido, inventei essa frase agora. Mas eu acredito nisso aí mesmo.

Lorenço Oliveira – Eu reparei que em algumas obras você deixa um pouco da pedra bruta…

Paulo Aguinsky – Aquilo ali é atávico, no sentido da memória. Até o próprio título dessa exposição eu gosto muito “Nexo da Forma”. A forma só tem nexo porque nós humanos damos esse nexo. Porque a pedra em si não escolheu forma, é tudo ocasional. O universo todo tem pedras, meteoritos e formas diferentes. Então, a forma, quem dá o significado é o humano. Então, aqueles fragmentos ali, que eu diria, sem nexo, que é a pedra bruta, eu dou um sentido de natureza. Eles eram assim. Até talvez uma vaidade para dizer “tudo era bruto e eu transformei isso em algo novo”. Eu gosto de deixar aquilo ali desde que não interfira no contexto. Dá um efeito técnico, de ter uma superfície muito grande, muito lisa e deixar algo ali. Quebrar o olhar sem perder a qualidade. E não é uma novidade isso aí. Outros escultores também fazem isso.

Lorenço Oliveira – Como é que foi este episódio em que lhe encomendaram uma peça para dar de presente ao presidente da China?

Paulo Aguinsky – Isso foi quando o presidente da China veio ao Brasil. Eu estava fazendo um projeto a nível nacional que se chamava “Pedras do Brasil”. E esse projeto foi a pedido da presidente [Dilma Rousseff], quando ela era ministra, pois já conhecia o meu trabalho. Eu ia à Europa e tinha muitos blocos de pedra, porque o Brasil é um dos maiores produtores de granito do mundo. São os melhores e mais bonitos. E aí, chega na Itália, eles apagam “Brasil” e colocam “Itália”. Exportam pro Japão, China etc. Eles cortam em lâminas e exportam pra lá. Em todos os aeroportos, você pode ver, tem granito e a maioria é aqui do Brasil, grande parte, como se fosse da Itália. E eu reclamei que isso era uma pena. Porque a pedra é uma identidade de um lugar qualquer. Se tu morar numa vila, lá em Caçapava [do Sul], você vai ter uma pedra, que é a pedra da minha terra. Ela é única e não tem em lugar nenhum do mundo. Ela, sozinha, é uma identidade e o mineral é também, o que dá uma dupla identidade. Eu acho que a pedra é a identidade de um local. E eu reclamei que lá estava sendo explorado as pedras do Brasil, a identidade dos locais produtores, promovendo países que não tinham nada a ver com a história. Aí eles pediram uma ideia e eu sugeri de fazer uma exposição itinerante chamada “Pedras do Brasil”. Em que cada pedra, que vai no catálogo, vai o nome do município. E todo mundo quer uma pedra de seu município esculpida. Eu estava nesse evento, então, quando veio o presidente da China [Hu Jintao] e ela [Dilma] pediu uma sugestão de presente para ele. “Vamos fazer algo simbólico da China que seja de fácil leitura com uma pedra que tenha grande significado”, eu disse. Então eu peguei aquele mármore verde que é de Caçapava do Sul, uma pedra que tem 600 milhões de anos e fiz uma tartaruga que é um símbolo muito forte na China. E eles gostaram muito porque é uma pedra raríssima que só existe ali naquela região. Parece uma esmeralda e o nome se deu “Tartaruga Marinha”, em função dos aspectos de conservação dos animais. Tem esse significado político e social e a China estava entrando num programa ecológico e a tartaruga lá é muito respeitada. Eu já havia feito uma tartaruga para um chinês, há uns 5 anos antes, mas ele não comprou. Não comprou porque a tartaruga olhava para o lado. Na China, a tartaruga é símbolo de algo perene e de “olhar pra frente”. Então, quando eu fiz essa de presente, eu disse “não vou errar agora”. E hoje está num museu da China.

Lorenço Oliveira – Você já chegou a contabilizar quantas esculturas de pedra você já fez?

Paulo Aguinsky – Não tenho um número. Mas são muitas esculturas. Hoje eu faço relativamente rápido, porque eu tenho um instrumental muito bom. Tu vê que eu não tenho mãos de pedreiro, eu faço tudo requintadamente. Faço render muito. E eu nunca trabalho numa escultura apenas, eu trabalho em três, quatro ao mesmo tempo. Porque enjoa. Aquelas grandes eu levo quatro anos fazendo. E às vezes tu tá fazendo e tu cria outra. Tu para tudo e vai pra lá. Aquilo é um momento, um “flash”. Essas aí [esculturas monumentais] são feitas em maquete primeiro. Então são duas técnicas: uma que eu faço o projeto, maquete, procuro a pedra e começo a desbastar. E eu tenho que seguir rigorosamente uma forma. A outra técnica é o entalhe direto: uma pedra bruta, que tu vai esculpindo e vendo no que vai dar. Essa técnica exige muita concentração porque tu tem que seguir uma linha de raciocínio que é inconsciente. Tu não sabe o que que vai dar. Eu diria que é como dirigir na estrada. Você está pensando em outra coisa e está guiando. Por exemplo, aquele peixe medalha de ouro tem uma asa vermelha. Toda a escultura foi a partir da asa vermelha que eu achei ali. É muito vibrante isso porque na confecção da obra tu vai te emocionando, tu vai te surpreendendo com cada evento e acontecimento. Por mais que eu explique, eu vou sempre inventar uma história que não vai ter uma relação concreta, é algo inconsciente. Tu mesmo vai te surpreender depois com o que tu fez. É uma análise a posteriori.

Lorenço Oliveira – Quando você está fazendo um entalhe direto, você costuma se concentrar numa obra só?

Paulo Aguinsky – No entalhe direto você entra em transe. É uma coisa muito ruim, porque a concentração excede tua visão externa. Tu vê a tua mão trabalhando. Como se você estivesse ali atuando de forma autônoma, sem interferência da razão. Se entrar a razão, você é capaz de tirar um pedaço que não devia. Porque a razão é baseada em princípios lógicos. De cubo, de cilindro, de reta, de linhas. E o inconsciente é como um sonho. O sonho nunca tem pé nem cabeça. Depois tu tem que interpretar. E o entalhe direto tu tem que treinar isso. Mas tu não pode interferir no teu processo com a razão.